Blog criado em 15 de Maio de 2009

Última atualização: 7 de abril de 2013

Bem-vindos!



Eu não tenho pretensão alguma em ser um novo Mário Quintana ou Fernando Pessoa, dois de meus grandes ídolos na Literatura. Eu estou muito longe de possuir a genialidade que esses verdadeiros mestres no uso das palavras possuem. Os trabalhos de minha autoria aqui publicados são frutos de momentos de inspiração desde minha juventude. São textos desprentensiosos, de fato, mas que com certeza, muitas pessoas poderão se identificar com eles, revivendo passagens significativas de suas vidas. O objetivo então é exatamente este: compartilhar um pouco de minhas experiências, pensamentos e filosofia de vida, fazendo uso de alguns trabalhos meus e de outros autores - anônimos ou aclamados, mas que, sem sombra de dúvida, levarão os leitores do blog à reflexões pessoais e uma viagem preciosa pela sua existência neste planeta.


Tony Nascimento

Opções

Opções
Poderia ter sido Maria ou
Poderia ter sido João,
Que um dia se encantaria
Com a estória do pé de feijão...

Poderia ter sido Francisco ou
Poderia ter sido Carolina
Que certo dia, seduziria alguém
Com olhos tenros de menina...

Ela volta para casa
Deita-se em sua cama macia
Bate um sentimento estranho
Um misto de tristeza e alegria

Seus olhos negros fitam o nada
Seus pensamentos buscam a paz
Um duelo entre o corpo e a alma
Não dá mais para voltar atrás

Poderia ter sido José ou
Poderia ter sido Laís
Que em uma noite fria de inverno
Ganharia um beijo de boa noite, feliz

Poderia ter sido Ana ou
Poderia ter sido Roberto
Que apesar da falta de um pai
Ter-lhe-ia sempre por perto...

E ela então tenta dormir
Procura acreditar que acertou
Seu corpo está mais leve agora
Não se pergunta mais se errou

Poderia ter sido sua cruz ou
Poderia ter sido sua redenção
E ela jamais saberá se foi Maria ou
Se um dia foi João...



Tony Nascimento, 06 de julho de 2010

UTOPIAS

UTOPIAS
Eu queria ser o dia mais perfeito
Para que eu pudesse pintar os meus sonhos
Com todas as cores do arco-íris
Mas tudo o que eu sou é apenas um dia de sol...
Eu preciso criar coragem e retirá-las
Do fundo de minha gaveta
E ousar ser de novo o que eu um dia já fui
Preciso reaprender a fazer certas coisas
Neste mundo de vidas tão fugazes...

Eu queria ser o sorriso mais puro
Aquele que desarma os corações furiosos
Que transforma as tempestades da alma
Em simples gotas de orvalho
E olhando na minha gaveta
Lá no fundo empoeiradas, elas esperam por mim
E assim continuo observando
Dia após dia, vivendo uma ilusão...

Eu queria ser a paixão perfeita
Aquela que não busca respostas
Que de tão plena por si basta
Que de tão brilhante ofusca o sol
Eu queria ser como a aurora
Que traz um novo dia e revigora
Arrasta o homem da preguiça
Ou o leva para a completa solidão

Eu queria ser as palavras nunca ditas
Os desejos esquecidos,
Os momentos mais temidos
Todas as loucuras de amor
Que um ser humano jamais imaginou!
As lágrimas nunca antes derramadas
O silêncio que nunca se faz
Quando dois corações se perdem
Pela ausência de um perdão
E eu continuo a olhar minha gaveta...

E bem lá no fundo, como no fundo de minha alma
Vejo a essência viva do que eu um dia já fui
Este mundo de meu Deus não é para mim
Ponho de volta então as asas às quais renunciei
E ouso ser de novo o que eu um dia já fui
Preciso apenas reaprender a voar...


Tony Nascimento, Fortaleza 20 de junho, 2010


EU COSTUMAVA SER FEITO DE SONHOS

EU COSTUMAVA SER FEITO DE SONHOS
Eu costumava ser feito de sonhos
Ilusões grandiosas que eu trazia aqui dentro de mim
Eu costumava sentar na escuridão
E deixar minha vida passar em mais um dia sem fim
E eu morria cada dia sem saber...

Eu costumava ficar com os pensamentos meus
Desejos que minha alma conhecia como ninguém
Eu costumava esperar pelas gotas do orvalho
Para esconder cada lágrima derramada também
E eu morria cada hora sem saber...

Eu costumava perder os pores do sol
E os meus olhos sem luz viam a noite chegar
Eu costumava me perder até de mim
Buscando enfim meus sonhos realizar
E eu morria cada minuto sem saber...

Há sonhos que são tal e qual um vendaval
Arrebatam sua alma, invadem seu coração
E você voa sobre montanhas, rios e mares
Mergulha de corpo e alma no fogo da paixão
E eu assim comecei a viver sem saber...

Há sonhos que são um prelúdio eterno
Tocado em notas que somente o céu ouviu
Trazem uma mensagem de alma para alma
Lembranças de um amor como nunca se viu
E eu agora morro cada segundo sem saber...

Hoje eu ainda sou feito de sonhos
E feito de sonhos eu sei que sempre serei
Mas agora tenho sonhos para você e para mim
Pois foi me buscando que só assim eu te encontrei
E agora sei que sozinho eu nunca mais... morrerei.


Tony Nascimento, 22-06-2009

O AMOR E A AMIZADE SÃO A BASE DE TUDO

O AMOR E A AMIZADE SÃO A BASE DE TUDO
As pessoas precisam trazer de volta certos sentimentos e valores quase perdidos e vencidos pelo imediatismo sexual e material que se instalaram nos mundos virtual e real.

Façamos então as pessoas acreditarem no amor verdadeiro, na amizade, na consideração, gratidão, no simples prazer de se ter alguém do lado porque simplesmente nos faz sentir bem, sem nenhum interesse obscuro.

Uma amizade e um amor atemporais e incondicionais. Eles serão sempre a base de tudo e para tudo no que diz respeito a viver bem e em harmonia com quem amamos.

Você que está lendo isto agora, receba meu abraço fraternal e minha amizade sincera. É tudo o que eu posso te oferecer agora, mas é de coraçao!

Tony Nascimento, 2008

QUEM SOU EU?

QUEM SOU EU?
Quem sou eu?
Eu sou um, eu sou muitos, eu sou nenhum...
Eu sou único no universo
E trago um universo dentro de mim
Um coração sempre pulsante
Faço de cada sonho uma constante
Que dá um norte à minha vida
De repente, já sou alguém na multidão
Em muitos momentos meu nome também é solidão

Quem sou eu?
Um coração desarmado, pronto para ser feliz*
Sentimentos nunca antes revelados,
Simplesmente te ofereço o que há de melhor em mim
Um moço velho ou um velho moço,
Com mil sonhos para sonhar
Perdido no meio de uma imensa multidão,
Eu sou apenas um homem encantado,
Completamente inebriado pela mais bela visão

Quero que você seja o meu vôo mais alto
E dos meus mergulhos o mais profundo
Convido você a adentrar o meu mundo
Eu estou lá fora nos céus que você vê
E estou aqui dentro no inferno em que você não crê

Eu sou muitos e ao mesmo tempo sou nenhum...
Quem sou eu?
Eu sou apenas o que você quiser que eu seja
Pois felicidade é saber que sou eu que tenho o dom
De te fazer feliz!

*Versos extraídos de "Desejos"

Tony Nascimento, 12/2005 & 10/2006


PARA ROUBAR UM CORAÇÃO

PARA ROUBAR UM CORAÇÃO
Para se roubar um coração é preciso que seja com muita habilidade, tem que ser vagarosamente, disfarçadamente, não se chega com ímpeto, não se alcança o coração de alguém com pressa. Tem que se aproximar com meias palavras, suavemente, apoderar-se dele aos poucos, com cuidado. Não se pode deixar que percebam que ele será roubado, na verdade, teremos que furtá-lo, docemente.

Conquistar um coração de verdade dá trabalho, requer paciência, é como se fosse tecer uma colcha de retalhos, aplicar uma renda em um vestido, tratar de um jardim, cuidar de uma criança. É necessário que seja com destreza, com vontade, com encanto, carinho e sinceridade. Para se conquistar um coração definitivamente tem que ter garra e esperteza, mas não falo dessa esperteza que todos conhecem, falo da esperteza de sentimentos, daquela que existe guardada na alma em todos os momentos.

Quando se deseja realmente conquistar um coração, é preciso que antes já tenhamos conseguido conquistar o nosso, é preciso que ele já tenha sido explorado nos mínimos detalhes, que já se tenha conseguido conhecer cada cantinho, entender cada espaço preenchido e aceitar cada espaço vago ... e então, quando finalmente esse coração for conquistado, quando tivermos nos apoderado dele, vai existir uma parte de alguém que seguirá conosco. Uma metade de alguém que será guiada por nós e o nosso coração passará a bater por conta desse outro coração. Eles sofrerão altos e baixos sim, mas com certeza haverá instantes, milhares de instantes de alegria. Baterá descompassado muitas vezes e sabe por que? Faltará a metade dele que ainda não está junto de nós. Até que um dia, cansado de estar dividido ao meio, esse coração chamará a sua outra parte e alguém por vontade própria, sem que precisemos roubá-la ou furtá-la nos entregará a metade que faltava ... e é assim que se rouba um coração, fácil não?

Pois é, nós só precisaremos roubar uma metade, a outra virá na nossa mão e ficará detectado um roubo então! E é só por isso que encontramos tantas pessoas pela vida a fora que dizem que nunca mais conseguiram amar alguém... é simples... é porque elas não possuem mais coração, eles foram roubados, arrancados do seu peito e somente com um grande amor ela terá um novo coração, afinal de contas, corações são para serem divididos e com certeza esse grande amor repartirá o dele com você.

Luis Fernando Veríssimo

DESEJOS

DESEJOS

Que cada segundo de sua vida de imperfeito mortal
Seja o testemunho do mais perfeito amor,
Imortalizado por cada gota de suor derramado
Em todos os momentos, que por mim
Você é um ser loucamente amado


Por todos os seus beijos que percorrem
Cada palmo do meu corpo extasiado,
Que explicavelmente me tiram o fôlego,
Matando toda a minha sede,
Explorando profundamente a imensidão de minha alma.

Que cada minuto de sua vida de efêmero mortal
Seja o reflexo de uma paixão que não tem fim,
Um coração desarmado, pronto para ser feliz
Sentimentos nunca antes revelados,
Simplesmente te ofereço o que há de melhor em mim.


Um moço velho ou um velho moço,
Com mil sonhos para sonhar
Perdido no meio de uma imensa multidão,
Eu sou apenas um homem encantado,
Completamente inebriado pela mais bela visão

Pois felicidade é quando você descobre
Que o céu é o meu sorriso
E que eu sorrio unicamente por ti
E se o céu é o meu sorriso,
Que dos beijos seus nasçam as estrelas
Que numa longa noite enluarada
O nosso amor irão iluminar.


Deixa então que esse amor seja uma eterna manhã
De um azul ímpar e ensolarada,
Cavalga então comigo, meu amor, pela madrugada
Em direção ao mais perfeito nascer do sol!


Tony Nascimento, 27/28 de Dezembro de 2006

BUSCO UM AMIGO

BUSCO UM AMIGO
Busco um amigo
Que me diga sempre a verdade,
Que não camufle meus defeitos,
Que não despreze as minhas lágrimas!

Um amigo
Cuja presença traga alegria,
Cujo silêncio transmita paz,
Cuja escuta inspire confiança,
Cuja lembrança infunda coragem.

Um amigo
Ao qual eu possa dizer: desculpa!
Uma, duas, três vezes...

Um amigo
Que não seja nem mestre,
Nem discípulo, mas um companheiro
Com o qual eu possa caminhar rumo ao infinito
Em qualquer momento.

Um amigo
Que conserve a sua intimidade
Sem esconder o seu pranto.

Um amigo
Que ao amanhecer
Não me diga apenas "bom dia",
Mas que me abra o seu coração,
Confiando também em mim.

Um amigo
Que creia na amizade e viva
Como uma audaz
Conquista de liberdade.

Um amigo
Cuja amizade seja óleo doce,
Suave e perfumado, extraído do fruto
Amargo de uma árvore espinhosa.

Um amigo
Que não se preocupe
Em dar ou receber,
Mas que seja capaz
De compartilhar.

Um amigo
Simples, sincero, natural
Capaz de chorar,
Mas sobretudo de sorrir.

Um amigo
Que seja um reflexo da bondade de Deus.

Reinilson Câmara

DIVERSIDADES

DIVERSIDADES
Leia e reflita:

Um sujeito estava colocando flores no túmulo de um parente, quando vê um chinês colocando um prato de arroz na lápide ao lado. Ele se vira para o chinês e pergunta:

- Desculpe, mas o senhor acha mesmo que o defunto virá comer o arroz? E o chinês responde:

- Sim, quando o seu vier cheirar as flores.

>>> Nosso mundo, felizmente é um campo farto e fértil de diferentes opções, diversidades culturais e isso inclui religião, hobbies, preferências musicais, sexuais e muito mais que se pode imaginar. Cabe a cada um de nós aceitar que não podemos ser e jamais seremos iguais.

O respeito pela cultura e opções do ser ao lado, ao qual chamamos de amigo, irmão ou companheiro, é fundamental para nossa existência e coexistência pacífica, digna de seres que se auto intitulam humanos porque é exatamente isso o que deveria nos diferenciar dos demais animais, os ditos irracionais.

Vergonhosamente, vivendo em sociedade, muitos desses seres, ditos racionais, comportam-se de maneira que sugere que eles definitivamente não passaram pelo processo natural de evolução de Charles Darwin...

Texto 1: Autor desconhecido
Texto adicional: Tony Nascimento

EU VOU TE CONTAR

EU VOU TE CONTAR
Eu vou te contar que você não me conhece.
Eu tenho que gritar isso,
Porque você está surdo e não me ouve.

A sedução me escraviza a você, ao fim de tudo
Você permanece comigo,
Mas preso ao que eu criei e não a mim

E quanto mais falo sobre a verdade inteira
Um abismo maior nos separa...

Você não tem um nome, eu tenho.

Você é um rosto na multidão
E eu sou o centro das atenções,

Mas a mentira da aparência que eu sou
E a mentira da aparência que você é,
Porque eu não sou meu nome
E você não é ninguém,
O jogo perigoso que eu pratico aqui,
Ele busca chegar ao limite possível de aproximação
Através da aceitação da distância
E do reconhecimento dela...

Entre eu e você existe a notícia que nos separa,

Eu quero que você me veja a mim.
Eu me dispo da notícia,
E a minha nudez parada te denuncia e te espelha.
Eu me delato, tu me relatas.
Eu nos acuso e confesso por nós.
Assim me livro das palavras com as quais você me veste.

(Texto de Fauzi Arap, interpretado por Maria Bethânia como introdução de sua música "Um Jeito Estúpido de Te Amar", 1977)

QUASE

QUASE
Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase.
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz.

A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.

Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si. Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.

Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo.
De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

(A autoria deste texto é atribuída a Luís Fernando Veríssimo, no entanto, o próprio afirma ser de Sarah Westphal Batista da Silva, em sua coluna do dia 31 de março de 2005 do jornal O Globo, Rio de Janeiro)

BÁLSAMO

BÁLSAMO
Seus olhos são imensos oceanos
E neles quero sempre navegar
Já venho traçando tantos planos
Pois sei que o amor é como o mar

Um mar das maiores incertezas
Um mar das melhores ilusões
Lídima pérola entre as riquezas
Bálsamo aquecido nos vulcões

Seus olhos são céus em polvorosa
E neles como pássaro voarei
Buscando sonhar em verso e prosa
Pois sei que o amor é como um rei

Um rei que nunca perde o trono
Um rei que domina sem cessar
Indelével bálsamo sem dono
Enigma flutuando sobre o mar

E sempre que paro um pouco e penso
Em um motivo pra todo dia acordar
Só vejo o amor num céu imenso
Ainda que eu não saiba onde ele está

Pois mergulhando nos seus olhos perco o senso
Como se alma, enfim, vagasse em seu luar
E se o amor for mesmo mar de azul intenso
Não me socorra, por favor, deixa eu me afogar...

(Autor desconhecido)


YOUR LOVE

YOUR LOVE
Your love is like a beacon on a stormy sea
When my heart is a boat which can’t sail free
Your love leads me through the raging waves on safe
Your love is something I cannot ever forsake

In your arms I do know where I belong
By your side I will never be alone
I close my eyes and feel the softness of your hand
You make me feel the luckiest one among the men

Your eyes have such a kind of light so rare
It always shines whenever I need you there
Your arms are the best shelter where I can rest
In you, I’ve found my true love at last

Don’t be afraid to walk on the lovers’ shore
If you touch me, I’ll be yours forever more
Just let it show, watch it free all this fantasy
I won’t care if I die in your arms in ecstasy

We’ve got a true love, a feeling to grow
Love me tender, just never let it go
Your love about me you cannot deny
As I see myself in the mirror of your eyes

Our love is like a bird which has crossed ev’ry sky
It was a bird of passage, now faraway we won’t need to fly
And when winter comes and darkness seems to win
Let love be our home, it will never let any fear in

Yes, I know you feel just like the way I do
Come to me and let my love take care of you
Let me hear your heart talks straight to mine
The tongue of the angels I’ve longed to see the sign

(Written by Tony Nascimento, October, 1988)


A AUTO PIEDADE

A AUTO PIEDADE
A auto piedade é um dos sentimentos mais destrutivos que aquele ser humano que pretende alcançar certa evolução espiritual pode ter.

Há gente, que sente prazer em enfraquecer, desestimular, minar as outras pessoas, porém na auto piedade fazemos isto a nós mesmos. Nós mesmos plantando a semente do mal em nosso terreno e na grande maioria das vezes colhendo os frutos podres, e sem se quer perceber. Pena de si mesmo, como é fácil e até reconfortante sentir isto de vez em quando. E o pior é que vicia, é um consolo disfarçado (lobo na pele de cordeiro), a auto piedade vem bem devagarzinho, te colocando como a vítima da situação, fingindo que lhe amacia o ego, exaltando todas as suas qualidades, estampando os defeitos dos outros e camuflando os seus próprios defeitos. E aí estamos viciados a sentir pena de nós mesmos. É quando vêm os efeitos colaterais, não temos mais força para lutar por nossos objetivos, todos são culpados por nossos fracassos quando não movemos uma palha a favor de nossas vitórias, esquecemos de nossa capacidade de nossa força, nos tornamos amargos, secos. Desconfiamos dos outros por não confiar mais em nós.

Na auto piedade não existe aquela lição básica, de que, de todo sofrimento se retira um aprendizado, um conhecimento, um passo em direção ao caminho certo. Infelizmente, às vezes, precisamos sofrer pra aprender. Há casos em que não adianta ouvir daqueles que amamos um: “não faça isso, esta direção é melhor, eu sei, já passei por isto”. Não. Nós necessitamos fazer este percurso sozinhos, padecer, e principalmente suportar o golpe. E é aí que nos encontramos entre dois caminhos: o da auto piedade e o do crescimento. É bem mais cômodo usar a ajuda do falso consolador, do que achar proveito e porque não dizer, até beleza em suas próprias cicatrizes. Como é simples olhar para os outros com os seus defeitos, e mais simples ainda para nós com as nossas qualidades.

Então, nunca desista de conhecer a si mesmo, de se auto criticar, para tentar discernir o bem do mal, pois a linha que os separa é tão fina que é quase invisível. Pratique o perdão, mesmo quando a boca travar (note que o problema não está na boca e sim na mente) e quando aquela dor na garganta persistir. E este perdão é para ser usado em primeiro lugar com você mesmo, ou nunca poderá usá-lo pelos outros.


Lembre-se: ninguém é mais forte ou mais capaz que ninguém, e principalmente, não há culpados somente. Há escolhas e um caminho a ser seguido.

Beth Jardim

(Publicado no Recanto das Letras em 26/09/2005
Código do texto: T53991)

ELEGIA

ELEGIA
Ele está sentado em uma colina
Uma noite insípida está se rastejando através do vale
As árvores são presas do inevitável
E os demônios forjam martelos e pregos

Ele viajará por todos os caminhos
Que conduzem às terras desconhecidas
O tempo distorceu sua visão
Uma aprovação aos seus próprios direitos...

Ele está contemplando o céu
Sem desejos algum em seus olhos
E ele seguirá a pista invisível
Quando as sereias cantarem outra vez...

A primavera está no ar, o silêncio está no céu
O vento está nos seus cabelos, a lua está nos seus olhos
Os morcegos seguem brincando, mas ele já terá ido embora
Antes que a manhã espalhe sua luz!

A primavera está no ar, as estrelas deixaram o céu
O vento sopra através das folhas, o mundo ao qual ele não pode sobreviver
Os pássaros seguem cantando, mas ele já terá ido embora
Antes que a manhã espalhe sua luz...

Os pássaros seguem cantando, mas ele já terá ido embora
Antes que o mundo tiver acabado esta noite...


Letra de Marian Gold (Alphaville)
Tradução de Tony Nascimento


*Elegia é uma forma de poesia ou música melancólica, utilizada para lamentar a perda pela morte de alguém.

MEU TESTAMENTO

MEU TESTAMENTO
Quando minha hora chegar, não tente introduzir vida artificial no meu corpo pelo uso de uma máquina. Ao invés disso, dê os meus olhos ao homem que nunca viu o nascer do sol, um rosto de um bebê ou o amor nos olhos de uma mulher.

Dê o meu coração a uma pessoa cujo coração não lhe tenha causado outra coisa, senão dias eternos de dor. Dê os meus rins a quem depende de uma máquina para existir de semana em semana. Leva meu sangue, meus ossos, cada músculo e nervo do meu corpo e dá um jeito de fazer uma criança aleijada andar.

Explora cada canto do meu cérebro. Pega minhas células, se necessário for, e deixe-as crescer para que algum dia, um garoto mudo seja capaz de gritar quando seu time fizer um gol e uma garota surda possa ouvir o barulho da chuva contra a janela.

Queima o que sobrar de mim e joga as cinzas ao vento para ajudar as flores a crescer. Se você quiser realmente enterrar alguma coisa, que sejam minhas culpas, minhas fraquezas e o meu preconceito contra o próximo.

Dê os meus pecados ao diabo. Dê minha alma a Deus.

Se você desejar lembrar de mim, faça isso com generosa consideração ou com a palavra para alguém que precisa de você.

Se você fizer tudo isso que eu te pedi,
Eu viverei para sempre!



Tradução: Tony Nascimento
Escrito por Robert N. Test, em To Remember Me, Cincinnati post, 1982

VIDEO & POESIA

Quando O Am-------or

sábado, 16 de maio de 2009

Livro de Visitas / Guest Book

Caros amigos, obrigado pela estadia! Cliquem em "comentários" e sintam-se a vontade para registrar aqui sua opinião sobre o site. Caso não possuam conta no Gmail, podem postar suas mensagens como "anônimo", mas peço que identifiquem-se (nome e cidade), por favor. Sugestões e dicas também serão bem-vindas, visando sempre a melhoria e o engrandecimento deste espaço cultural. Divulguem o blog, se desejarem. Obrigado e voltem sempre! Abraços e muita luz a todos.